MARABÁ: SEDE DO INCRA É OCUPADA NOVAMENTE POR INTEGRANTES DA FNL

Os manifestantes são da Frente Nacional de Luta e querem negociar terras onde a Vale atua

A sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – Incra em Marabá foi invadido por membros do Frente Nacional de Luta, FNL, na manhã desta segunda-feira (31). Os ocupantes querem negociação com a mineradora Vale áreas de terra que são de sua propriedade e onda a empresa atua. Há informações de que o acesso ao projeto S11D em Canaã dos Carajás também está fechado pelos integrantes da FNL assim como em Carajás, no município de Parauapebas.

O superintendente do Incra em Marabá, Asdrúbal Bentes, tenta negociar com os ocupantes da entidade uma mediação para a situação. Ele reclama que os manifestantes realizaram a ocupação no lugar errado, pois ocupando a sede da entidade eles impedem os servidores e o próprio superintendente de trabalhar e negociar a situação. “Se é com relação a Vale eles teriam que se dirigir a Vale, negociar com a Vale e nós até intermediaríamos”, explica ele. “Agora ocupando o Incra se torna mais difícil porque eles não vão contar com a minha equipe para trabalhar para fazer o diálogo com a Vale, com o Incra de Brasília”, conta.

O superintendente do Incra em Marabá, Asdrúbal Bentes, reclama ainda do aumento constante do número de ocupações dos trabalhadores sem terra a sede da entidade em Marabá em um momento em que ele tenta trabalhar em prol da regularização de terras e assentamentos da região.

“Essas ocupações estão ficando corriqueiras e eu acho que é preciso que haja mesmo um entendimento sério e seguro porque do contrário nós não podemos trabalhar. Não há clima para o trabalho, com redes armadas, com ocupação de salas”, disse.

Os manifestantes são da Frente Nacional de Luta e querem negociar terras onde a Vale atua

Já existe uma liminar em vigor contra a Frente Nacional de Luta, FNL, por conta de outras ocupações já realizadas pela entidade social em Marabá. O superintendente do Incra em Marabá, Asdrúbal Bentes declara que vai entrar com pedido de reintegração de posse para reaver a sede do Incra.

Ninguém da FNL quis comentar o caso e a mineradora Vale ainda não foi procurada pelos manifestantes para falar sobre o assunto.

Comentários

Comentários